Convencionou-se falar no setor automotivo que o mercado é puxado pelo clube das quatro grandes montadoras, enquanto as demais vão na esteira. Ele é formado pela líder em vendas Chevrolet, seguida de Volkswagene Fiat, enquanto Ford e Hyundai se alternavam como a quarta força do grupo.

Os números de abril, porém, fizeram a Renault figurar do top 4 de emplacamentos. A marca francesa, com sede brasileira em São José dos Pinhais, na Grande Curitiba, somou 20.818  automóveis e comerciais leves negociados, deixando a Ford no quinto posto, com 19.982 veículos, e a Hyundai no sexto, com 18.175.

O bom desempenho da Renault, com quase 10% de participação no mercado, foi impulsionado pelo volume de vendas do Kwid e do Sanderono mês passado – ambos apareceram no ranking dos 10 carros mais negociados no Brasil. O subcompacto foi o quinto, com 6.616, e o hatch compacto o oitavo, com 5.814.

Esta é a terceira vez nos últimos anos que o time das ‘quatro grandes’ não conta com a Ford. Em 2015, por exemplo, a sul-coreana Hyundai superou a fabricante norte-americana, terminando o ano na quarta posição.

A própria Renault já sentiu o gostinho de figurar neste grupo. Foi em setembro de 2017, quando o Kwid, recém-lançado, apareceu como o segundo carro mais vendido no Brasil, atrás apenas do Chevrolet Onix, e à frente de Ford Ka e Hyundai HB20.

No pódio dos três primeiros, as posições foram mantidas em abril. A Chevrolet segue em primeira com 33.380 veículos licenciados, a Volks em segundo, 30.329, e a Fiat no terceiro lugar, 28.201.